Interface alheia
Não vou demasia
Também não quero fantasia
Não nessa sua agonia
Que me deixa com estranha mania
Onde o desejo se deslumbra
Formando uma escultura
Seria bagunça sua 
Por não levar à serio tal desejo de luxúria
Luxúria que escorre entre o debate de sentimento 
Nos ensina o bom de se descobrir a cada dia 
Seus lábios insensatos
Não cansa de me beijar
No  vai e vem dessa interface alheia 
Meu corpo clama pelo seu 
a noite inteira.

Yulla Rodrigues.

8 comentários:

  1. Legal... adorei a poesia... :)

    ResponderExcluir
  2. É a descoberta através da poesia, dos poemas,
    é a vida seguindo seu rumo naturalmente com suas descobertas.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. bom jogo de palavras... gostei dessa face de interface alheia... continuo te acompanhando hein... rs. abraços

    ResponderExcluir
  4. Parabens pela bela poesia

    ResponderExcluir
  5. Bonito. Muito sensual. ;)

    ResponderExcluir
  6. Olá! No momento estou apenas te seguindo, mas prometo voltar e comentar em breve suas postagens!Agradeceria se seguisse o meu blog, assim criamos um vínculo que facilite a divulgação de ambos os blogs! passa lá?
    http://medicinepractises.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. super sexy

    muito bom texto
    *-*

    ResponderExcluir
  8. "Ensina o bom de se descobrir a cada dia"
    gostei disso, tão leve!
    escreve bem guria, e eu volto sempre !
    bjão =]

    ResponderExcluir